sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

ÍNDICE PARA CELULARES

ÍNDICE ALFABÉTICO 

POESIAS- ORDEM ALFABÉTICA

POESIAS- RELAÇÃO POR PÁGINA

RUATIZAPE DO TEÓFILO (todos os vídeos, músicas, textos interessantes de outras pessoas que estavam neste blog estão nesse outro blog novo)

FELIZ E SANTO NATAL!



Desejo a todos e a todas uma santa preparação para o Natal neste tempo de Advento, e um FELIZ E SANTO NATAL. 


F rente a frente convosco, Senhor,
E u me sinto em falta,
L uto na ação social, no amor,
I nerte diante dos males do mundo,
Z eloso por mim, indiferente pelos outros.

N as palhas do presépio me ensinais
me encontrar convosco nos pobres,
T anto nos da matéria como nos do espírito,
A mpará-los, socorrê-los,
L evá-los a conhecer-vos, a amar-vos.

E nsinai-me, Senhor, a amar, a partilhar!

A o ver tanta miséria e tanta dor,
N utro no coração um grande amor,
O ro com ternura, peço-vos perdão.

este mais um Natal em minha vida,
O uço as vozes dos que vos clamam,
V olto-me a vós e vos imploro:
O lhai por todos nós, Senhor,e dai-nos a   vossa paz!

MENSAGEM DE NATAL

Amigo, amiga,
Feliz Natal, apesar das milhares de crianças abortadas diariamente!

Feliz Natal, apesar de você talvez estar atrás das grades de uma prisão, muitas vezes por um crime que não cometeu!

Feliz Natal, apesar das guerras, do racismo, dos roubos milionários dos políticos, dos desvios do dinheiro da merenda escolar, dos crimes e da violência de nossa sociedade!

Feliz Natal, apesar da hipocrisia com que muitos hoje virão saudá-lo (a), mas nem sequer perguntarão como você está!

Feliz Natal, apesar do dinheiro gasto em coisas supérfluas, que a mídia garantiu fazer-lhe feliz, muitas vezes usado para manter a máscara de que nosso Natal é feliz!

Feliz Natal, apesar de que talvez você esteja agora numa cama de hospital!

Feliz Natal, mesmo que agora suas lágrimas denotem o seu abandono, solidão, falta de carinho e de amor, da parte daqueles que você jurava e até brigava para provar que o (a) amavam!

Sim, amigo, amiga, Feliz Natal, pois comemoramos hoje um Deus que, deixando todas as suas divinas e celestes mordomias, entregou-se a nós num cocho de capim, na pobreza, na humilhação, na simplicidade do presépio e numa vida aparentemente inútil!

Feliz Natal, amigo, amiga, e, a propósito, você lembrou-se do aniversariante de hoje?

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

POESIAS 122


A TEMPESTADE

29/11/17

A tempestade se foi,
mas...
antes que eu pudesse sorrir,
antes que eu pudesse sonhar,
antes que eu pudesse cantar,
um vendaval varreu minhas ilusões,
deixou a desnudo a realidade.

Todos os meus sonhos se foram,
diluídos como algodão doce na água.
Aquele mesmo que, em criança,
tanto me fez sorrir!

A rudeza do mundo imbecil
se mostra com toda a ironia.
O desejo insano de justiça
amarga e injustiça a verdade escondida.

Qual é a verdade disso tudo?

Não sei... está perdida!


27/09/2017

A PLACA

As placas desapareceram!
Cadê as luzes?
Não vejo o caminho,
não vejo os amigos,
não vejo ninguém!
Apenas uma touceira de espinhos
pela qual estou sendo obrigado a passar!

Nenhum abrigo,
a proteção da estrada sumiu,
as setas se escafederam,
não sei onde pisar.

Tento ficar parado,
mas a vida me obriga a caminhar.
Tento dar um grito,
mas um nó na garganta me impede.
Tento chorar,
mas as lágrimas secaram!
Para ver melhor pego meus óculos,
mas as lentes quebraram!

Sentei-me numa pedra,
esperando alguma resposta,
esperando alguma proposta,
esperando que alguém me encontrasse,
mas a pedra de esfarelou!
Sentei-me no chão,
abraçado aos joelhos, 
percebo uma brisa suave,
percebo a presença de Deus.

Pensei como filósofo:
“Por que ainda persisto?
Por que ainda existo?
Por que ainda resisto”?

A noite acabou,
as trevas desistiram,
o sol começou a nascer!
Forcei o olhar,
ainda lacrimejado,
embaçado,
e pude enxergar,
no meio da neblina,
numa total surdina,
uma placa,
apenas uma placa,
brilhante,
reluzente,
chamativa,
atraente,
receptiva,
me indicando o caminho:
“Meu amigo, Eu 
te amo”!
E embaixo, a assinatura:
“Jesus”.


25/08/17

FRUSTRAÇÃO

Pelas estradas da vida,
 em busca de um tesouro,
Percorro um longo caminho, 
não ando à busca de ouro!

Nunca acumulei,
carro, casa ou mordomia!
Amigos e inimigos amei,
além de Jesus e Maria.

De repente, entretanto,
a estrada sumiu!
o caminho perdeu o encanto,
uma cratera à frente surgiu!

Sem nunca desanimar, 
vou procurar um atalho!
O tempo que me restar,
passarei em oração e trabalho!
O tesouro que não encontrei,
talvez esteja noutro lugar!


POESIAS 121




27/07/17


ESPERA

Meu coração bate forte,
aguardo a esperada resposta!
Sim ou não? Pouco importa!
Já não ligo qual seja a proposta!

Amar a Deus sem reservas
é tudo o que agora desejo.
Amar o irmão e o inimigo,
nada mais neste mundo eu almejo.

O tapete que me tiraram
já forra o meu novo caminho.
Deus nele me espera sorrindo,
nunca nele estarei sozinho.

Que a chuva torrencie lá fora,
que a ventania sopre renhida!
Fico aqui dentro com Jesus
e Maria, minha mãe querida!


07/08/17

NO BANCO DA PRAÇA

Gente apressada,
dia calmo, céu limpo,
dependência pública lotada,
espero minha carona.

Por longo tempo esperando,
 nada a fazer, apenas contemplo!
Quanta coisa estou deixando!
Pra estar à toa nunca acho tempo!

O pior de tudo é que eu estou gostando !
A natureza, temperatura amena,
Tudo está colaborando!
Aqui minha vida parece tão serena!

 Corremos demais!
Nos ocupamos demais!
Nunca ficamos  à toa
Para contemplar o nada,
 Para sentir o tempo passar!

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

MEDO POR QUÊ?




13/11/17

Muitas vezes tenho sentido medo incrível do juízo particular, após a minha morte, e, por consequência, do juízo final. 

A salvação é minha preocupação constante, e acho que também é a de muitas outras pessoas. 

Entretanto, hoje ao meio-dia, ao ler a leitura breve da oração dessa hora, nesta segunda feira da quarta semana da Liturgia das Horas, minha mente e meu coração, de repente, como por inspiração divina, se aclararam. Meus olhos se fixaram no trecho ali determinado de Sabedoria 15,1.3: “Tu, nosso Deus, és bom e verdadeiro; lento para a ira, governas o universo com misericórdia. (...) Conhecer-te é a justiça integral, e reconhecer tua soberania é a raiz da imortalidade”. 

Nós vemos Deus como um carrasco de espada em punho, pronto para decepar nossa cabeça a qualquer sinal de pecado. Que erro! Deus nos ama e nos quer com ele! Não está a fim de condenar-nos, a não ser se não quisermos ficar com ele. 

Nada temos a perder! Por que tanto medo do inferno? Por que vivermos traumatizados ou com a síndrome do pânico por medo do nosso julgamento após a morte? Deus nos quer, nos ama e nos ajudará a vencermos nossos limites, pecados, manias, preocupações, ambiguidades! Ele é nosso Pai! Deixemos de vez o medo dele! Aproximemo-nos dele e ele sempre nos amparará.

O versículo 2, omitido na Liturgia das Horas, é este: “Mesmo pecando somos teus, pois reconhecemos tua soberania, mas não pecaremos, sabendo que te pertencemos”. Veja bem: mesmo com o pecado Deus não nos desampara, mas aguarda e “torce” para que nós nos arrependamos, a fim de podermos estar sempre com ele. Ele não nos forçará a entrarmos no céu. Mas é o que ele deseja, mais até do que nós mesmos desejamos. 

Diz Efésios 3,20: “Deus é poderoso para realizar em nós muito além, infinitamente além de tudo o que nós podemos pedir ou conceber”. 


É preciso mais do que isso para convencer você?

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

O JULGAMENTO APÓS A MORTE




13/10/17

A coisa mais certa desta vida é a morte. E a coisa mais certa depois da morte é o Julgamento a que nós vamos nos submeter. 

Li hoje a passagem do célebre livrinho “A Imitação de Cristo” (leio um trecho todos os dias, assim como os monges nos mosteiros. Eles o leem no café da manhã) intitulada “O Juízo e as Penas dos Pecadores”. Vou resumir o assunto tratado nesse trecho para vocês:

“Em todas as coisas, olha o fim e de que modo estarás diante do severo Juiz a quem nada é oculto, que não se deixa aplacar com dádivas, nem aceita desculpas, mas que julgará segundo a justiça”.

Você talvez me diga: “Mas... e a tal da misericórdia divina, que o Papa Francisco tanto menciona”? É aí que mora o problema. Deus é misericordioso, mas nós, geralmente, não. E quem vai julgar-nos somos nós mesmos! Sim, senhores e senhoras. Nós mesmos! Ou vocês acham que Deus quer que fiquemos no inferno? 

Não estou inventando isso. Diz uma santa, parece que Santa Teresa de Ávila, que, se uma pessoa do inferno se dirigisse a Deus dizendo “Meus Deus, eu vos amo”, seria tirada de lá na hora. Com a sinceridade adquirida pela morte, nós seremos talvez muito duros conosco mesmos, se assim o fizemos com os outros durante a vida. Talvez essa seja a melhor explicação do ensinamento: “Com a medida com que medimos os outros, seremos também medidos”. Aí que vem a famosa frase de Tiago 2,13: “A misericórdia triunfa sobre o Juízo”. Se fomos misericordiosos aqui na Terra, seremos misericordiosos na outra vida também para conosco. E saberemos, humildemente, pedir perdão a Deus de nossos pecados, e admitir nossa culpa, mas também o desejo que temos de nos purificar antes de entrarmos no paraíso. Aí, escolheremos o purgatório, se não temos merecimento para entrar diretamente no céu. 

Continua o livrinho: “Ó misérrimo e insensato pecador! (...) Por que não te acautelas para o dia do juízo, quando ninguém poderá ser desculpado ou defendido por outros? Agora o teu trabalho é frutuoso, o teu pranto aceito, o teu gemer ouvido, tua contrição, satisfatória”!

Nesse ponto o autor lembra como podemos já nesta vida pagarmos nossos pecados como num purgatório:

- ser paciente: se for injuriado (a), mais se dói da maldade alheia do que da ofensa recebida; 

- se rogar, de boa vontade, por seus adversários e de todo o coração perdoar os agravos;

- se não tardar em pedir perdão aos outros;

- se mais facilmente se compadecer do que se irritar;

- se constantemente fizer violência a si mesmo e se esforçar por submeter de todo a carne ao espírito (poderíamos simplificar isto dizendo: se procurar vencer seus maus hábitos).

“Melhor é expiar já os pecados e extirpar os vícios, que adiar a expiação para mais tarde”.

Aí, diz o texto, daremos maior valor à “tribulação sofrida com paciência”, “os piedosos se alegrarão e os ímpios se entristecerão”. Mais exultará o que mortificou-se do que os que sempre se nutriram de delícias. 

“As vestes grosseiras brilharão”, mas “as vestimentas preciosas, caras, se desbotarão”. “Terá maior apreço o pobre casebre que a dourada mansão”.

“Mais valerá a paciente constância que todo o poderio do mundo. Mais será engrandecida a obediência sincera do que toda a sagacidade do mundo. Mais satisfação dará a pura e boa consciência que a douta filosofia”.

“Mais valerá o desprezo das riquezas que todos os tesouros da terra. Mais te consolará a lembrança duma devota oração que a de inúmeros banquetes”.

“Mais folgarás de ter guardado silêncio, do que de ter falado muito. Mais valor terão as boas obras que as lindas palavras”.

“Aprende agora a padecer um pouco, para poupar-te mais graves sofrimentos no futuro. (...) Se tanto te repugna o menor incômodo, que te fará então o inferno”?

“Logo, tudo é vaidade, exceto amar a Deus e só a Ele servir. Pois quem ama a Deus de coração não teme nem a morte, nem o castigo, nem o juízo, nem o inferno, porque o perfeito amor dá seguro acesso a Deus. Mas quem ainda se delicia no pecado, não é de estranhar que tema a morte e o juízo” .

Termino dizendo a todos e a todas que precisamos aproveitar certos percalços na vida a fim de recomeçarmos uma vida sem pecado, de muita misericórdia, oração e confiança plena em Deus. 

Maria, em suas aparições (como em Fátima, Lourdes e Medjugorie) lembra que muitos até pensarão em se converter, nos seus dias finais, mas vão estar tão acostumados ao pecado que não conseguirão. Eu já presenciei isso com muita dor no coração. Um senhor recusou-se a confessar-se porque dizia que não tinha pecado, e morreu alguns dias depois. 

Há pessoas que se acostumam tanto com o pecado que não mais o discernem. Acham que não estão pecando. Tudo se torna válido em seus pensamentos. 

A Igreja está aí para isso, entre outras coisas: mostrar-nos o que é certo, o que é errado, e conduzir-nos no caminho de Deus. Escolher por si mesmo o que é certo ou errado é algo diabólico, e é justamente esse o pecado de Adão e Eva: decidirem por si mesmos o que podiam ou não fazer. 

Muitos santos começaram o caminho da santidade após algum fato crucial em suas vidas. São Francisco Borja (1510-1572, celebrado no dia 10 de outubro), por exemplo, converteu-se quando viu o corpo já em estado inicial de putrefação da imperatriz Isabel, mulher até então “de extraordinária formosura. Ele fora encarregado pelo rei de acompanhar o corpo até ao mausoléu, em Granada (Espanha). Antes de colocar o corpo no túmulo definitivo, foi novamente aberto o caixão. Aquele corpo em estado de putrefação impressionou profundamente o espírito do santo, levando-o a desejar uma consagração total a Deus na vida religiosa” (“O Santo do Dia, Dom Servílio Conti, IMC, dia 10/10).

Eu comecei a encarar mais profundamente a minha vida espiritual após um acontecimento desagradável e triste em minha vida. Aproveitei ao máximo esse fato e estou decidido a recomeçá-la a cada dia, preparando-me para a minha morte (que não deve estar tão longe, pela minha idade). 

Confiemos na misericórdia divina, sim, mas também na força, vigor e coragem que Deus nos dá diretamente e por meio do nosso Anjo da Guarda (não o despreze. Dê um nome a ele e peça sua ajuda em tudo, todos os dias) e de Maria, assim como dos nossos santos prediletos. Peçamos diariamente que nos livre de todo e qualquer pecado e, sobretudo, que sejamos sempre humildes, a fim de que possamos pedir sempre e sempre o auxílio divino. Diz a Lumen Gentium: “Sem Deus a criatura se reduz a nada”.


(Teófilo Aparecido de Jesus)

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

ANJOS, ARCANJOS E O SER HUMANO

veja no final uma gravação miraculosa, feita nos EUA, de vozes reais de anjos. A explicação está no próprio vídeo e por escrito.


O PEDRO SIQUEIRA DIZ-SE VIDENTE E VÊ OS ANJOS DESDE OS TRÊS ANOS DE IDADE. 







1- ANJOS E ARCANJOS
Quanto aos anjos, foram criados na Graça de Deus, mas tiveram oportunidade de escolher se ficariam ou não com Deus. Alguns deles rejeitaram radical e irrevogavelmente a Deus e seu Reino. São chamados diabos, satanás, demônios. O nome "anjo", na verdade, é o nome do cargo desses espíritos, ou seja, "mensageiro". Enquanto criaturas puramente espirituais, são dotados de inteligência e de vontade: são criaturas pessoais e imortais. Superam em perfeição todas as criaturas visíveis.
Cada fiel é ladeado por um anjo como protetor e pastor para conduzi-lo à "vida": é o anjo da guarda. Em Mt 18,10, Jesus diz: "Não desprezeis nenhum destes pequeninos, porque eu vos digo que os seus anjos nos céus veem continuamente a face de meu Pai que está nos céus". No entanto, para receber a ajuda do anjo da guarda é preciso pedir. Ele não pode entrar em nossa vida e interferir nela sem o nosso consentimento; também não é obrigado a nos obedecer. Os anjos são submissos a Deus, e não a nós. Há pessoas que colocam um nome em seu anjo da guarda. Isso não é proibido, é até uma boa atitude. Pode colocar um nome no seu!
 Quanto a satanás e seus comparsas, anjos que se revoltaram contra o domínio de Deus, o seu poder é limitadíssimo. Ele não passa de uma simples criatura, poderosa, é verdade, pelo fato de ser puro espírito, mas sempre criatura: não é capaz de impedir a edificação do Reino de Deus. A permissão divina da atividade diabólica é um grande mistério, mas precisamos ter certeza de que Deus coopera em tudo para o bem daqueles que o amam (Rm 8,29); ou seja, não devemos ter medo.
Foram criados em número incomensurável, muito antes que o ser humano. São divididos em 9 coros angélicos: 1° coro, Serafins; 2° coro, Querubins; 3° coro, Tronos; 4° coro, Dominações; 5° coro, Potestades; 6° coro, Virtudes; 7° coro, Principados; 8° coro, Arcanjos; 9° coro, Anjos.  
Naquela santa cidade, onde há plenitude da ciência pela visão do Deus onipotente, não precisam de nomes próprios para se distinguirem uns dos outros. Entretanto, nós podemos, se quisermos dar um nome-apelido para o nosso Anjo da Guarda e chamá-lo por esse nome.
Nós sabemos os nomes dos Arcanjos: MIGUEL, GABRIEL, RAFAEL, URIEL, JEGUDIEL, JEREMIEL, SEALTIEL, SALATIEL E BARAQUIEL.
Devemos rezar diariamente para o nosso Anjo da Guarda e ter intimidade com ele, falando-lhe de nossos problemas, projetos, desejos, reconhecendo os fracassos etc.
Nosso Anjo oferece tudo o que fazemos de bom para Deus, continuamente. Na Missa e nas orações, nos acompanha sempre, a não ser que não queiramos ou o tivermos descartado.
A oração ao Anjo, todos a conhecem: “Santo Anjo do Senhor (nome), meu zeloso guardador, se a você me confiou a piedade divina, sempre me reja, me guarde, me governe e me ilumine, amém”.
Oração da Missa dos Anjos: “Ó Deus, que organizais de modo admirável o serviço dos Anjos e dos homens, fazei que sejamos protegidos na terra por aqueles que vos servem no céu. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo”.

2- O SER HUMANO
Deus criou o mundo de tal forma que nele pudéssemos viver, pois somos a obra mais importante de sua criação. Deus criou o homem à sua imagem e semelhança, ou seja, com a capacidade de pensar e agir livremente e viver para sempre. Deus nos criou para que pudéssemos morar com ele no céu e gozarmos sua presença, admirar sua beleza, fazer-nos felizes. Para deixarmos fora nosso egoísmo e aprendermos a partilhar, ele planejou tudo de tal forma que nos tornamos seus “sócios” na criação: cada vez que uma criança é concebida, Deus cria, naquele momento, uma alma imortal e ele se torna um ser humano, com direito a viver feliz no paraíso pelo resto da eternidade.
Deus não quer obrigar-nos a estar com ele. Por isso, deu-nos o livre arbítrio, pelo qual temos a vida toda para escolhermos essa vida feliz (o paraíso) ou estarmos longe dele (o inferno). Temos um tempo para estarmos aqui na terra a fim de decidirmos se vamos ou não ficar com Ele, criarmos nossos filhos, que vão continuar a cuidar do mundo, a fim de que outros possam existir e aqui viver, e amarmos a Ele e a todos os demais. Essa, pelo menos era a intenção de Deus. Só haveria a felicidade, pois Ele estaria sempre agindo em favor do ser humano que criara.
Quem morre sem ter escolhido Deus de modo pleno, mas buscou-o durante sua vida, vai para o Purgatório, até purificar-se, pois como diz o Apocalipse 21,27: “Na cidade celeste não entrará nada de imundo, nada que contamine, nada que cometa abominação e mentira”.
Aí houve a decisão dos primeiros seres humanos em agir por conta própria, em quererem ser donos da própria vida, iguais a Deus, até mesmo desejando superar Deus e não depender dele. Foi o chamado pecado original, simbolizado na bíblia (Gênesis capítulo 3) pelo fruto proibido.  O fruto proibido é símbolo da nossa ação de decidir o que é bom ou o que é mau. Só Deus pode nos dizer o que é bom ou mau. Isso que significa "conhecer o bem e o mal", faculdade que dava aquele simbólico fruto.
 A partir de então, Deus abandonou o homem a seus próprios desejos e limitações, e só o ajuda se ele lhe pedir por isso. O ser humano passou a poder escolher se quer ir para junto de Deus, após a morte, ou ficar longe de Deus, apenas consigo mesmo. Ir para junto de Deus se chama ir para o céu; ficar longe de Deus se chama ir para o inferno.
Pelo Batismo, Jesus nos deu a possibilidade de entrarmos novamente debaixo da proteção divina, a fim de que possamos um dia ir para o céu, após terminarmos nossa missão aqui na terra. Isso é feito de muitos altos e baixos, pois às vezes o escolhemos, às vezes o desprezamos.
Quando o desprezamos, ainda assim Ele nos dá, pelo arrependimento e pedido de perdão, a possibilidade de voltarmos a Ele. Sempre que pedirmos, o Pai nos perdoa, pelo sangue derramado voluntariamente por seu divino Filho Jesus Cristo, que viveu plenamente a vida que todos deveríamos viver: a dependência total e absoluta ao Pai.
Há infelizmente, um problema sério no modo de entendermos a criação do ser humano. A bíblia ensina de modo diferente da ciência. O problema que se coloca é: o homem foi criado diretamente por Deus, ou é um produto da evolução, como dizia Darwin?
Seja qual for o modo que acreditamos, basta que aceitemos que a criação é obra de Deus, mesmo que não saibamos exatamente como é que Ele a criou, se foi uma criação direta, como diz a bíblia, ou indireta, para nos adequarmos à ciência. Na verdade, somente os dois conhecimentos juntos nos dão uma ideia mais exata do que realmente ocorreu.
Se aceitarmos a evolução  (A ciência diz que nós descendemos de um grupo de aproximadamente 2.500 desses primatas, que teriam sido originários da África), para continuarmos cristãos deveríamos acreditar que foi Deus quem criou as almas dos primeiros seres humanos, utilizando, no caso, um animal já bem desenvolvido, a que a ciência dá o nome de primata. Essas primeiras pessoas seriam, no caso, Adão e Eva. Aliás, Deus continua a fazer isso, quando cria uma alma humana em cada ser humano que é concebido! Quanto ao pecado original, uma coisa é certa: o pecado de Adão e Eva não foi sexual, pois eles eram marido e mulher. O pecado deles foi mesmo de desobediência e o desejo de se igualarem a Deus, coo dissemos acima. Queriam viver independentes de Deus.
Diz o Frei Carlos Mesters, no livro “Paraíso Terrestre, Saudade ou Esperança?”, que o paraíso narrado no Gênesis é um objetivo de vida, e não algo que perdemos. É um “plano” de vida para nós todos, que Deus gostaria que existisse, como Isaías 11 nos narra: O lobo vivendo com o cordeiro, a criança brincando com a serpente...
Para que haja isso é preciso muito empenho de nossa parte, e da parte dos milionários e tantos poderosos deste mundo, a fim de que a partilha torne a todos felizes. Sobretudo, é preciso que tenhamos mais fé em Deus, mais confiança na Providência Divina, e deixemos de adorar os falsos ídolos do dinheiro, vícios, fama, vaidade exagerada etc.





A ALTURA DAS VOZES DE ALGUNS DOS ANJOS NÃO É ALCANÇÁVEL PELA VOZ HUMANA. GRAVADA POR ACASO EM KANSAS CITY, EUA. PRESUME-SE QUE OS ANJOS TOMARAM CONTA DA GRAVAÇÃO... não há pausa para a respiração. 

COMENTÁRIO SOBRE O VÍDEO

Transcrito como está no You Tube: 

Publicado em 30 de abr de 2016

Há alguns anos atrás um grupo de 7 pessoas reuniam-se em uma igrejinha de Kansas City - EUA, para ensaiarem hinos de louvor.

Eles cantam "Alleluiah" à capela ou seja sem instrumentos algum somente suas vozes, e usam um velho gravador K7 pra gravarem suas vozes.

Porém, naquele dia, ao voltarem a fita para ouvir... eles não conseguiam entender como é que milhares de outras vozes da mais perfeita harmonia juntavam-se a deles com o som de instrumentos também não tocados por eles...

A voz solo masculina que ouve-se no meio do hino cantando versos também apareceu misteriosamente enquanto as 7 pessoas cantavam somente Alleluiah...

Professores de musica ouviram a fita e constataram que a nossa voz não consegue atingir notas tão altas por tão longo período com tanta harmonia e perfeição.

Até hoje não existe explicação de como esse fenômeno ocorreu... e muitos acreditam que estamos na presença de uma hoste de Anjos cantando Aleluias ao Deus Altíssimo, a quem toda honra e toda gloria devem ser dadas hoje e sempre. Amém
______________

Trecho do Solo:

"Hallelujah, ringing all across the land
Everybody's singing at the Lord's command
All the saints and the angels up in glory wait to hear the news of Jesus and his children as they're coming through."

Tradução do solo: 

Aleluia, tocando por toda a terra
Todos cantando ao comando do Senhor
Todos os santos e os anjos em glória esperam para ouvir a boa nova de Jesus e seus filhos quando eles estiverem chegando ".

sábado, 26 de agosto de 2017

A VIDA RELIGIOSA


Vida religiosa é a vocação de pessoas que vivem em pequenas comunidades, numa congregação religiosa, fazem os três votos: de castidade, de pobreza e de obediência (algumas fazem um quarto voto, que varia de congregação para congregação) e obedecem a um superior local, que, por sua vez, obedece a um superior regional e nacional. 

Muitos jovens me perguntam pelo facebook como fazer para entrar na vida religiosa.

Eu lhes respondo, com algumas variações, isto que segue: 

A primeira coisa é ter amizade, entrosamento e participação na paróquia em que você vive.

A segunda é ter uma vida de oração, não de orações rápidas, mas um pouco mais prolongada. A oração é a base da vida religiosa.

Terceiro, tem que saber obedecer. Quem tem dificuldades para obedecer não dá certo na vida religiosa.

Quarto, é preciso saber controlar os instintos, já que a vida religiosa não tira as tendências de ninguém. Por toda a vida, até mesmo na velhice, os instintos continuam vivos.

Quinto, é preciso ter certeza de que você não está buscando a vida religiosa para fugir de si mesmo (timidez, preguiça de trabalhar, comodismo) ou de alguma coisa exterior (incapacidades, defeitos, frustrações, falta de emprego etc).

É bom conversar com um religioso aí de perto de você sobre o assunto, e ser sincero para com ele. 

A vida religiosa não é brincadeira, não é algo romântico como se apresenta em alguns filmes, como o “Irmão Sol, Irmã Lua”, de Franco Zefirelli. 

Durante o seminário menor de uma congregação missionária eu ouvia falar muito das missões de modo poético. Havia um livro de poesias missionárias muito bonito, mas o autor mesmo do livro deixou o sacerdócio, casou-se e morreu no ano passado, bem idoso.

Uma de suas poesias era “O Barco da Madrugada”, que até foi musicada. Eu me lembro apenas de algumas palavras: “O barco da madrugada, vai me engolfar noutro mar. Direi adeus pátria minha, o último adeus talvez. E se Deus quiser que eu não volte outra vez, meu coração te deixo, ó Mãe Celestial. Não tenho medo das águas, nem fúrias do furacão. É sorte a quem os céus busca achar sua tumba no mar”. 

O jovem era levado por essas poesias e fantasias sobre a vida religiosa e se decepcionaria, mais tarde, ao ver que ela é feita de pessoas humanas limitadas, e muita renúncia. É fácil imaginar uma vida bonita, dedicada a Deus, baseada na renúncia, mas é difícil praticar essa vida. A natureza humana é muito forte e nos arrasta para a “sensualidade”, como diz Santa Catarina de Sena, até a mais extrema velhice. 

Vemos pessoas que vivem a vida religiosa falarem dela com prazer, como algo sublime, mas, se entrarmos em sua vida íntima, veremos quantas provações aquela pessoa vive para se manter intacta. Sobretudo, é necessária muita oração. 

A alegria de quem segue sinceramente esse tipo de vida é autêntica. Realmente, quando nos santificamos na vida religiosa, sentimos uma paz profunda e inexplicável, mesmo com os problemas e sofrimentos do dia a dia. Quando “nós nos temos em nossas mãos”, como dizia Dom Luca Moreira Neves no retiro de minha ordenação sacerdotal, ou seja, quando vivemos de modo a dominarmo-nos plenamente, a alegria é constante em nossa vida, por mais árido que seja o ambiente em que vivemos.

Mais uma vez repito, esse auto domínio, baseado no que Santa Catarina de Sena chama de auto conhecimento (só tem um auto domínio quem se conhece plenamente e humildemente assume suas fraquezas para melhor dominá-las), só é conseguido pela oração humilde, pela sinceridade em nos apresentarmos a Deus como somos realmente, com todas as quedas e fraquezas, e não como gostaríamos que fôssemos. 

Em resumo: quem abraça a vida religiosa pensando que é forte e que vai conseguir santificar-se sozinho e com pouca oração é, no mínimo, ingênuo. Só com a ajuda de Deus é que podemos nos santificar. Sozinhos, nada conseguiremos. Por isso é que é preciso que antes de se doar a uma vida dessas, a pessoa reflita se tem verdadeiras condições psicológicas, físicas e espirituais para isso.



Eu explicaria assim aquela parábola de Jesus sobre o construtor que começa a casa e não pode terminá-la porque faltou dinheiro. Ele termina a história dizendo: “"Assim, pois, qualquer um de vós que não renuncia a tudo o que possui não pode ser meu discípulo." (Lucas 14, 33). Muitas vezes vamos ter que renunciar às próprias ideias para podermos progredir no caminho da santidade. Deus sabe melhor do que nós do que realmente precisamos.

Teófilo Aparecido

terça-feira, 15 de agosto de 2017

TRÊS BEIJOS

15/08/17
Essa música me inspirou este texto:
Deus, Eterno, Todo Poderoso, mesmo vivendo numa Trindade, nunca recebera um beijo. Não havia quem o beijasse.
Ele criou o ser humano à sua imagem e semelhança. O ser humano podia beijar e ser beijado. Eva decerto beijou com ternura seus filhos. Mas Deus, mesmo em sua Onipotência, não recebera beijo algum. Os séculos se passaram, mas ele continuava de certa maneira isolado da humanidade, pelo menos fisicamente. Espiritualmente, é claro, nunca esteve longe de nós.
Chegou o tempo da encarnação de Jesus. Em sua segunda Pessoa, a do Filho, Deus se encarnou entre nós. Não era mais do que uma criança nos braços de uma criatura sua, de dezesseis anos, frágil, ambos sujeitos às mais imprevistas situações. Entretanto, como uma contradição aparente, Deus recebeu o seu primeiro beijo: o de Maria. Será que ela sabia que ao beijar Jesus estava beijando o próprio Deus, que com o Pai e o Espírito Santo criara o universo?
Deus precisou deixar de lado sua Onipotência para receber o seu primeiro beijo, de sua tão puríssima mãe. Que beijo gostoso! Como eu invejo ambos: Maria, por ter beijado Jesus, e Jesus, por ter sido beijado por Maria! Foi o beijo de uma mulher imaculada, um beijo de uma pessoa que nunca havia pecado. Nós também só poderemos beijar Jesus se deixarmos nossa soberba, nosso orgulho, nossa prepotência de lado e pedirmos perdão humildemente a esse nosso Senhor e Salvador.
Esse foi justamente o  segundo tipo de beijo que Jesus recebeu: o da mulher adúltera, em Lucas 7, 36-38: "... e, estando a seus pés, por detrás dele, começou a chorar. Pouco depois suas lágrimas banhavam os pés do Senhor e ela os enxugava com os cabelos, beijava-os e os ungia com o perfume" (Bíblia Católica Online)
Beijo de gratidão. Jesus a perdoara de todos os seus pecados. Foi talvez o primeiro beijo casto, puro, sincero, que aquela mulher dava em sua vida de pecados. Um beijo de arrependimento, de quem diz: “obrigado, Senhor, por ter transformado a minha vida”! Tenho inveja também dessa mulher. Que santa ousadia! Jesus se deixou beijar por alguém que havia sido pecadora. Grande notícia para nós, que tanto pecamos! Se pedirmos perdão, podemos também beijar os pés de Jesus. Poderemos nos aproximar dele e sentir sua presença salvífica em nossa vida. Recomeçaremos uma nova vida com esse “beijo“ que espiritualmente damos nos pés do Senhor com o nosso arrependimento. Nós estaremos, assim, confortando-o e reparando nossos pecados. Para isso é preciso, entretanto, o humilde reconhecimento de nossas misérias, de nossa fraqueza, de nossos pecados.

O terceiro e último beijo que Jesus recebeu foi o de Judas, na véspera de sua paixão. Beijo asqueroso, nojento, pútrido, fingido, cheio de ódio ou indignação. Lembro-me do relato da Vicka, em Medjugorje, que, inquirida por uma repórter se podia beijar o manto de Maria, esta disse que podia. No lugar do beijo a vidente viu uma mancha feia. Perguntou à Maria o porquê ficara manchado sua veste, e ela respondeu que era por causa dos pecados daquela repórter  (veja isso em A VESTE). Maria, toda pura, Jesus, infinitamente santo, não se agradam de beijos fingidos. Nosso beijo não pode ser como o terrível beijo traidor de Judas. Entretanto, como não podemos beijar Jesus com os lábios tão castos e puros de Maria, pelo menos beijemo-lo com os lábios de uma pessoa arrependida e disposta a recomeçar uma vida nova!




LETRA DA MÚSICA
Lyrics

Google play

Mary did you know that your baby boy will one day walk on water?
Mary did you know that your baby boy will save our sons and daughters?
Did you know that your baby boy has come to make you new?
This child that you've delivered, will soon deliver you


Mary did you know that your baby boy will give sight to a blind man?
Mary did you know that your baby boy will calm a storm with his hand?
Did you know that your baby boy has walked where angels trod?
And when you kiss your little baby, you have kissed the face of God


Mary did you know, Mary did you know, Mary did you know


The blind will see, the deaf will hear and the dead will live again
The lame will leap, the dumb will speak, the praises of the lamb


Mary did you know that your baby boy is Lord of all creation?
Mary did you know that your baby boy will one day rule the nations?
Did you know that your baby boy is heaven's perfect Lamb?
This sleeping child you're holding is the great I am


Mary did you know, Mary did you know, Mary did you know

Written by Buddy Greene, Mark Lowry • Copyright © Warner/Chappell Music, Inc, Capitol Christian Music Group

domingo, 21 de maio de 2017

HECATOMBE



 (05/05/2014) (FICÇÃO)
(Dom Helder Câmara escreveu um poema com um tema parecido com este. Disse que sonhara que o papa enlouquecera, pusera fogo no Vaticano, disse adeus aos embaixadores, jogou a tiara no rio Tibre, espalhou pelos pobres todo o dinheiro do Banco Vaticano. Termina o poema desta maneira: "Que vergonha para os cristãos! Para que um Papa viva o Evangelho, temos que imaginá-lo em plena loucura"!)

Tive uma visão: o papa estava fazendo uma visita pastoral à Argentina, quando ocorreu um fenômeno inusitado na terra, como que tornando realidade o que diz o livro do Apocalipse 16,18-20:

“Houve então relâmpagos, vozes, trovões e forte terremoto; terremoto tão violento como nunca houve desde que o homem apareceu na terra. A grande cidade (Roma) se dividiu em três partes, e as cidades das nações (povos pagãos) caíram (...). As ilhas todas fugiram e os montes desapareceram.”

Um, meteoro caiu bem no centro da Itália, com maremotos e terremotos violentos que fizeram sumir do mapa a Itália, parte dos países vizinhos, uma faixa ao norte da África, cortando quase todo o deserto do Saara, toda a Palestina, alargando bastante o Mar Mediterrâneo e pondo fim ao estreito de Gibraltar, que deixara de ser um “estreito”.

O Vaticano simplesmente desapareceu, com todas as suas riquezas artísticas. Milhões de pessoas morreram. O mundo muçulmano e judeu tiveram também grande perda. Isso os ajudou a se unirem mais aos cristãos. 

O aumento do Mediterrâneo mudou o sistema climático e começou a chover no que restara do Saara. Um misterioso vento provindo das florestas africanas semearam sementes de árvores, arbustos e árvores frutíferas e, ao cabo de algum tempo, tudo brotava. Era o início de uma segunda floresta amazônica.

Todos os lugares frequentados por Jesus estavam submersos. Acabou-se o turismo religioso a essas regiões. Finalmente a senhora pobreza batera às portas da Igreja, que não possuía mais um país independente. 

Houve uma reunião de emergência na ONU para resolver os problemas surgidos com essa hecatombe. O papa abreviou sua viagem à Argentina e foi para lá, com alguns peritos no assunto diplomático da Igreja Católica.

O resultado da reunião foi a doação de uma região ao lado do que era a Palestina, para os judeus e a renúncia, por parte da Igreja, de um país autônomo. Remanejou os seus núncios (embaixadores) para outras funções pastorais não diplomáticas.

O Brasil ofereceu-se para abrigar o Papa, que aceitou e foi morar na Aparecida, que tornou-se como que um novo Vaticano. 

Um sínodo dos Bispos acabou com a obrigatoriedade do celibato para os padres e aceitou os já casados que quisessem voltar à prática do sacerdócio.

Imediatamente subiu para um número elevado os padres do mundo todo, com a ordenação sacerdotal dos já diáconos casados. Aparecida tornou-se meta de peregrinações mundiais.

Na visão vi também as consequências da ordenação de homens casados , que atualmente não existe, ou existe em pequeno número. :

-desvio de dinheiro nas paróquias;

-enriquecimento ilícito de alguns padres;

-problemas criminais envolvendo filhos de padres;

-separação de casais cujos maridos eram padres, por  traição dele ou dela;

-posses ilegais de casas paroquiais;

-falta de formação adequada para muitos padres casados.

Aos poucos, dei-me conta de que nada disso ainda ocorrera. Um alívio imenso tomou conta de mim, e a certeza de continuar lutando para que tudo isso possa ocorrer de modo santo, sem nenhuma destruição, só na base de um bom Concílio que leve em consideração a verdadeira vontade de Deus e do bom senso. Afinal, por que a Igreja precisa de um país (o Vaticano) para governar?

Precisamos exercer nossa atividade aqui e agora, pois não conhecemos o futuro, a fim de que tenhamos um feliz amanhã! E o tal meteoro, os cientistas dizem que vai se chocar com a terra em 2019 ou 2020...