domingo, 21 de maio de 2017

HECATOMBE



 (05/05/2014) (FICÇÃO)
(Dom Helder Câmara escreveu um poema com um tema parecido com este. Disse que sonhara que o papa enlouquecera, pusera fogo no Vaticano, disse adeus aos embaixadores, jogou a tiara no rio Tibre, espalhou pelos pobres todo o dinheiro do Banco Vaticano. Termina o poema desta maneira: "Que vergonha para os cristãos! Para que um Papa viva o Evangelho, temos que imaginá-lo em plena loucura"!)

Tive uma visão: o papa estava fazendo uma visita pastoral à Argentina, quando ocorreu um fenômeno inusitado na terra, como que tornando realidade o que diz o livro do Apocalipse 16,18-20:

“Houve então relâmpagos, vozes, trovões e forte terremoto; terremoto tão violento como nunca houve desde que o homem apareceu na terra. A grande cidade (Roma) se dividiu em três partes, e as cidades das nações (povos pagãos) caíram (...). As ilhas todas fugiram e os montes desapareceram.”

Um, meteoro caiu bem no centro da Itália, com maremotos e terremotos violentos que fizeram sumir do mapa a Itália, parte dos países vizinhos, uma faixa ao norte da África, cortando quase todo o deserto do Saara, toda a Palestina, alargando bastante o Mar Mediterrâneo e pondo fim ao estreito de Gibraltar, que deixara de ser um “estreito”.

O Vaticano simplesmente desapareceu, com todas as suas riquezas artísticas. Milhões de pessoas morreram. O mundo muçulmano e judeu tiveram também grande perda. Isso os ajudou a se unirem mais aos cristãos. 

O aumento do Mediterrâneo mudou o sistema climático e começou a chover no que restara do Saara. Um misterioso vento provindo das florestas africanas semearam sementes de árvores, arbustos e árvores frutíferas e, ao cabo de algum tempo, tudo brotava. Era o início de uma segunda floresta amazônica.

Todos os lugares frequentados por Jesus estavam submersos. Acabou-se o turismo religioso a essas regiões. Finalmente a senhora pobreza batera às portas da Igreja, que não possuía mais um país independente. 

Houve uma reunião de emergência na ONU para resolver os problemas surgidos com essa hecatombe. O papa abreviou sua viagem à Argentina e foi para lá, com alguns peritos no assunto diplomático da Igreja Católica.

O resultado da reunião foi a doação de uma região ao lado do que era a Palestina, para os judeus e a renúncia, por parte da Igreja, de um país autônomo. Remanejou os seus núncios (embaixadores) para outras funções pastorais não diplomáticas.

O Brasil ofereceu-se para abrigar o Papa, que aceitou e foi morar na Aparecida, que tornou-se como que um novo Vaticano. 

Um sínodo dos Bispos acabou com a obrigatoriedade do celibato para os padres e aceitou os já casados que quisessem voltar à prática do sacerdócio.

Imediatamente subiu para um número elevado os padres do mundo todo, com a ordenação sacerdotal dos já diáconos casados. Aparecida tornou-se meta de peregrinações mundiais.

Na visão vi também as consequências da ordenação de homens casados , que atualmente não existe, ou existe em pequeno número. :

-desvio de dinheiro nas paróquias;

-enriquecimento ilícito de alguns padres;

-problemas criminais envolvendo filhos de padres;

-separação de casais cujos maridos eram padres, por  traição dele ou dela;

-posses ilegais de casas paroquiais;

-falta de formação adequada para muitos padres casados.

Aos poucos, dei-me conta de que nada disso ainda ocorrera. Um alívio imenso tomou conta de mim, e a certeza de continuar lutando para que tudo isso possa ocorrer de modo santo, sem nenhuma destruição, só na base de um bom Concílio que leve em consideração a verdadeira vontade de Deus e do bom senso. Afinal, por que a Igreja precisa de um país (o Vaticano) para governar?

Precisamos exercer nossa atividade aqui e agora, pois não conhecemos o futuro, a fim de que tenhamos um feliz amanhã! E o tal meteoro, os cientistas dizem que vai se chocar com a terra em 2019 ou 2020...

Nenhum comentário:

Postar um comentário